O hóquei e esqui estão para os canadenses como o futebol está para nós brasileiros. Faltando poucos meses para o início da Olímpíada de Inverno o clima em Vancouver é de otimismo e expectativa para o início do maior evento já organizado na história da cidade.

Nunca se investiu e construiu tanto em Vancouver como atualmente. A escolha da cidade como sede da Olímpiada de Inverno de 2010 possibilitou à administração local atrair recursos e promover assim uma série de grandes reformas e construções.

A infraestrutura foi a área em que mais se investiu. Um bom exemplo é a construção da nova linha de metrô, que custou de 2 bilhões de dólares canadenses e deverá entrar em funcionamento em setembro. A linha tem 20 quilômetros de extensão e vai passar dentro do Aeroporto de Vancouver e seguir até Downtown, centro da cidade, onde estão os modernos quarteirões subterrâneos com acesso a hoteis e lojas de luxo.

Outra grande obra é o novo Centro de Convenções, inaugurado em abril, que será local de trabalho dos jornalistas na cobertura das Olimpíadas. O prédio custou quase 1 bilhão de dólares e chama a atenção por suas gigantescas dimensões: 31,4 mil metros quadrados de construção, 52 salas de conferência e o maior salão de convenções do Canadá, com 5 mil metros quadrados

O investimento milionário tem gerado uma onda de criação de empregos na cidade e região. Enquanto no mundo vive-se uma época de recessão econômica, em Vancouver nunca se contratou tanto como agora, principalmente em áreas como a de turismo, hotelaria, comércio e construção civil.

Segundo o jornal The Star, de Toronto, a indústria de turismo de Vancouver deverá contrarar 30 mil novos profissionais até 2015. “Quando uma cidade sedia uma olimpiada de repente todo mundo começa a ver o local como uma cidade de esportes”, afirma o diretor de Turismo de Vancouver, Rick Antonson. “Nós iremos ver (após as Olimpíadas) diversos novos eventos esportivos, especialmente nos próximos 5 anos”.

Mesmo em meio a tanto otimismo, a Olímpiada de Vancouver tem também seus críticos. Alguns dos mais ferozes argumentam que o investimento milionário pode não ter o retorno planejado e gerar um défict aos cofres públicos da cidade. Mesmo assim, parece que o vento continua a soprar muito a favor de Vancouver. Neste ano, a cidade foi novamente eleita com tendo a melhor qualidade de vida do planeta. Essa é a segunda vez consecutiva e a terceira em cinco anos em que Vancouver é reconhecida internacionalmente como o melhor lugar do mundo para se viver.